Bloqueio das redes sociais do presidente brasileiro: a ameaça do STF à democracia

Bloqueio das redes sociais do presidente brasileiro: a ameaça do STF à democracia

Compartilhar

The Epoch Times – Augusto Zimmermann

No Brasil, alguns juízes têm objetivos políticos altamente ambiciosos e tomam decisões de acordo.

O atual presidente do Tribunal Superior Eleitoral do país é Alexandre de Moraes. Foi eleito presidente da mesa eleitoral em agosto, em cerimônia pública com 2.000 convidados no auditório do tribunal. Ele era membro do Partido Social Democrata Brasileiro antes de ser nomeado juiz do Supremo Tribunal Federal do país em 22 de fevereiro de 2017.

Antes de ser nomeado para o mais alto tribunal do país, como noticiou o jornal francês Le Monde , ele esteve no centro de uma polêmica quando o jornal Estadão publicou uma investigação que mostrava que ele havia intervindo como advogado em pelo menos 123 processos judiciais para defender um corporação que alguns argumentam ser suspeita de estar ligada ao principal grupo de tráfico de drogas do Brasil, o Primeiro Comando da Capital.

Moraes, que agora é o principal oficial eleitoral do país no Brasil e responsável por supervisionar as eleições presidenciais, emitiu inúmeras “decisões monocráticas” contra “desinformação”, além de enviar alguns amigos e apoiadores do presidente Jair Bolsonaro para a prisão, confiscando seus dispositivos eletrônicos e congelando suas contas bancárias.

Em 18 de março, por exemplo, Moraes ordenou a suspensão nacional do aplicativo de mensagens Telegram. A decisão veio depois que o Telegram ignorou uma ordem anterior para bloquear a conta de Allan dos Santos, um apoiador de Bolsonaro acusado de espalhar “desinformação”. Ele já havia emitido um mandado de prisão de Santos em outubro.

Em sua decisão de suspender o Telegram em todo o país, Moraes menciona sua falha em remover conteúdo “enganoso” da própria página do Telegram de Bolsonaro. Conforme relatado, ele não apenas ordenou o desligamento do aplicativo de mensagens em todo o país, mas também ordenou que a Apple e o Google introduzissem “obstáculos tecnológicos” para bloquear o Telegram em seus sistemas operacionais e retirá-lo de suas lojas digitais no Brasil.

Bolsonaro, que busca a reeleição em outubro, conta com o Telegram para chegar à sua base eleitoral. Ele tem mais de um milhão de seguidores na plataforma e isso pode ser crucial para sua campanha eleitoral.

O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, fala, durante uma coletiva de imprensa conjunta com o presidente do Paraguai no Palácio do Planalto, em Brasília, Brasil, em 24 de novembro de 2021. (Raul Spinasse/AP Photo)

‘Decisões autoritárias’

Em 19 de março, durante o popular programa de televisão “Os Pingos nos Is” da Jovem Pam, o jornalista Augusto Nunes acusou Moraes de cometer diversas ilegalidades, incluindo abuso de autoridade e violação de uma cláusula pétrea no Brasil. Constituição que torna a liberdade de expressão um direito inalienável do cidadão.

Nunes também criticou o silêncio dos políticos sobre as “decisões” de Moraes, incluindo a proibição do Telegram em todo o país.

“É hora de exigir senadores e juízes algemados por sua covardia. E os indicados pelo presidente Jair Bolsonaro têm que explicar até quando vai durar esse silêncio covarde que eles mantiveram diante da arrogância”, disse.

Em 27 de maio de 2020, o ministro Moraes, que se tornou o principal oficial eleitoral do país, ordenou que a Polícia Federal iniciasse uma operação investigando empresários, blogueiros e políticos aliados a Bolsonaro. Na decisão que autorizou a operação, ele também determinou o bloqueio de todas as suas contas em redes sociais como Facebook, Twitter e Instagram. Segundo ele, a decisão monocrática é necessária para a interrupção de “desinformação” e “fake news”.

A investigação sobre “desinformação” conduzida por Moraes diz respeito de forma mais geral à divulgação de informações sobre a transparência das urnas eletrônicas e a credibilidade da comissão eleitoral brasileira, que na verdade é chefiada pelo próprio Moraes.

Filipe Martins, assessor especial da presidência da República para assuntos internacionais, comentou que “jornalistas, humoristas e cidadãos comuns que agem espontaneamente estão sendo tratados como bandidos por ousar expressar opiniões que desagradam o establishment”.

Bolsonaro não é o único alvo

Entre os alvos das ações policiais ordenadas por Moraes estão o presidente nacional do PT, Roberto Jefferson, o empresário Luciano Hang, e os deputados Douglas Garcia, Gil Diniz, Carla Zambelli, Bia Kicis, Junio ​​Amaral, Filipe Barros, Luiz Phillipe Orleans e Bragança, e Daniel Silveira.

Um desses parlamentares, Zambelli, disse que “toda pessoa que respeita a lei tem a obrigação de repudiar essas buscas no âmbito de uma investigação ilegal e inconstitucional”.

Da mesma forma, outra congressista, Kicis, declarou: “Estamos vivendo em tempos sombrios de ataque descarado à democracia . Não se esqueça das pessoas que estão comemorando os abusos de autoridade e atos antidemocráticos do Ministro Alexandre de Moraes contra jornalistas, humoristas, empresários e quaisquer outras pessoas comuns. São cúmplices da ditadura. Nunca fiquei em silêncio contra a tirania ou oponentes.”

Em 23 de agosto, Moraes orientou a Polícia Federal a cumprir mandados de busca e apreensão em cinco estados visando pelo menos oito empresários. Ele ordenou que a polícia invadisse suas casas, acessasse suas contas bancárias e suspendesse suas contas de mídia social. Esses cidadãos estão sendo investigados por meio de algumas mensagens postadas em seu grupo de WhatsApp onde alguns supostamente ousaram dizer que prefeririam outro regime militar ao retorno do candidato de extrema-esquerda Lula da Silva à presidência.

O ex-presidente do Brasil Luiz Inácio Lula da Silva fala durante um evento para anunciar a pré-candidatura de Lula para as eleições presidenciais de outubro junto com o companheiro de chapa Geraldo Alckmin no Expo Center Norte em São Paulo, Brasil, em 7 de maio de 2022. (Buda Mendes/Getty Imagens)

Moraes também ordenou o bloqueio de suas contas bancárias. Um dos alvos da operação foi Luciano Hang, fundador da rede de varejo Havan e apoiador de Bolsonaro com milhões de seguidores nas redes sociais. Embora Hang diga que “nunca falou em golpe” e que “sempre defendeu a democracia e a liberdade de expressão”, Moraes ordenou o bloqueio de todas as suas contas de mídia social, incluindo Twitter, Instagram, Facebook, YouTube, WhatsApp e TikTok.

“Eles podem tirar minhas redes sociais, mas nunca vão me calar!” disse Hang, que construiu uma cadeia de lojas de departamentos conhecida por exibir réplicas do Estatuto da Liberdade na frente. “Diga não à censura! Você pode ser o próximo”, postou em sua conta no Twitter antes de ser encerrada por ordem judicial emitida por Moraes.

Outros empresários que supostamente tiveram suas redes sociais e contas bancárias bloqueadas incluem Meyer Joseph Nigri, presidente e ex-CEO da incorporadora Tecnisa, José Isaac Peres, fundador da empresa de shoppings Multiplan, e Afranio Barreira Filho, dono da rede de restaurantes Coco Bambu.

A Democracia Brasileira Ameaçada

Bolsonaro diz que a democracia está agora sob grave ataque no país. Ele acusou esses juízes não eleitos de praticar interferência política e tentar implantar uma ditadura judicial.

“O Brasil está no caminho da ditadura. É assim que as ditaduras começam agora. Você perde a liberdade aos poucos, aí um dia você olha e fica completamente amarrado”, disse ele à rede Jovem Pan.

Depois de conhecer todas essas coisas extraordinárias, quem discordaria? O sistema democrático está claramente a ser minado pela substituição do Estado de direito pelo Estado dos juízes. Na verdade, a premissa de que juízes não eleitos sabem melhor o que é melhor para a nação é elitista e totalmente antidemocrática.

É irônico ver que agora a maior ameaça à democracia no Brasil não vem dos políticos eleitos, mas de uma oligarquia judicial altamente anacrônica.

As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.


Augusto Zimmermann é professor e chefe de direito do Sheridan Institute of Higher Education em Perth. Ele também é presidente da Western Australian (WA) Legal Theory Association, editor-chefe do The Western Australian Jurist, e atuou como membro da comissão de reforma da lei de WA de 2012 a 2017. Zimmermann é autor de vários livros, incluindo “Direito Constitucional Brasileiro”, “Teoria Jurídica Ocidental” e “Fundamentos Cristãos do Direito Comum”.


Boa Sorte Brasil!

“As pessoas perguntam qual é a diferença entre um líder e um chefe. O líder trabalha a descoberto, o chefe trabalha encapotado. O líder lidera, o chefe guia.”

— Franklin Roosevelt

São 2028 dias Sem Corrupção com anuência ou participação do Governo Federal e da Presidência

Swords of Iron: 3º dia de guerra

Por que a esquerda defende o aborto

RELATÓRIO CPI FUNAI-INCRA

CPI ONGs: Relat Rainforest Found Norway

#Chega Brasil Corrupção Manipulação Mundo Urubus Sinistros